No Dia da Árvore, mangueiras fotografadas por Ferrez e Leuzinger

Com imagens de mangueiras produzidas pelos fotógrafos Georges Leuzinger (1813 – 1892) e por Marc Ferrez (1843 – 1923), em fins do século XIX, a Brasiliana Fotográfica lembra o Dia da Árvore. As árvores são importantes símbolos da natureza, essenciais riquezas naturais do planeta Terra, e um dia comemorativo em torno delas remete à importância da preservação do meio ambiente. É celebrado pouco antes da chegada da primavera no hemisfério sul, que neste ano acontecerá amanhã, dia 22, às 16h21.

Nas imagens selecionadas, há um registro curioso, de uma mangueira e um coqueiro que se confundem e outras, onde a presença humana de uma certa forma ressalta a força da natureza, sua dimensão e exuberância. A beleza é o denominador comum de todas as fotos. Sugerimos que vocês utilizem o zoom e explorem os detalhes de cada imagem.

 

 

O carioca e filho de franceses Marc Ferrez (1843 – 1923) foi um brilhante cronista visual das paisagens e dos costumes cariocas da segunda metade do século XIX e do início do século XX. Sua vasta e abrangente obra iconográfica se equipara a dos maiores nomes da fotografia do mundo. Estabeleceu-se como fotógrafo com a firma Marc Ferrez & Cia, em 1867, na rua São José, nº 96, e logo se tornou o mais importante profissional da área no Rio de Janeiro. Cerca de metade da produção fotográfica de Ferrez foi realizada na cidade e em seus arredores, onde registrou, além do patrimônio construído, a exuberância das paisagens naturais.

 

 

Acessando o link para as fotografias de mangueiras disponíveis na Brasiliana Fotográfica, o leitor poderá magnificar as imagens e verificar todos os dados referentes a elas.

 

 

O fotógrafo e editor suíço Georges Leuzinger (1813 – 1892) é um dos mais importantes fotógrafos e difusores para o mundo da fotografia sobre o Brasil no século XIX, além de pioneiro das artes gráficas no país. Grande empreendedor, montou um sofisticado e diversificado complexo editorial, a Casa Leuzinger, que se tornaria um polo de publicações e de produções fotográficas, alçando o Brasil ao mesmo nível da produção europeia do setor.

 

 

Algumas das árvores nativas do Brasil são a Pata de Vaca (Bauhinia variegata), a Quaresmeira (Tibouchina granulosa), o Jacarandá de Minas (Jacaranda Cuspidifolia), a Sibipiruna (Caesalpinia Peltophoroides), o Manacá da Serra (Tibouchina mutabilis), a Chuva de Ouro (Lophantera lactescens), o Ipê-branco (Tabebuia roseo-alba), a Babosa Branca (Cordia superba), Ipê-amarelo (Tabebuia ochracea), a Aroeira-vermelha (Astronium fraxinifolium), o Angico-branco (Anadenanthera colubrina), o Cambucá (Plinia edulis), a Guabiroba-árvore (Campomanesia xanthocarpa), a Grumixama (Eugenia brasiliensis), o Açoita-cavalo miúdo (Luehea divaricata), a Sapuva (Machaerium stipitatum)  e o Jacarandá-paulista (Machaerium villosum).

 

Acessando o link para as fotografias de árvores disponíveis na Brasiliana Fotográfica, o leitor poderá magnificar as imagens e verificar todos os dados referentes a elas.

 

 

Curiosidades

 

Segundo o site Brasil Escola, cada região do Brasil possui uma árvore como símbolo:

 

Arvore símbolo da região Norte – castanheira;

 

Árvore símbolo da região Nordeste – carnaúba;

 

 

Árvore símbolo da região Centro-Oeste – ipê amarelo;

 

Árvore símbolo da região Sudeste – pau-brasil;

 

Árvore símbolo da região Sul – araucária.

 

 

Velhas Árvores

Olavo Bilac (1865 – 1918)

Olha estas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores moças, mais amigas,
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas…
O homem, a fera e o inseto, à sombra delas
Vivem, livres da fome e de fadigas:
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E os amores das aves tagarelas.
Não choremos, amigo, a mocidade!
Envelheçamos rindo. Envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem,
Na glória de alegria e da bondade,
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem!

 

Olavo Bilac / O Rio de Janeiro do meu tempo, de Luiz Edmundo

Olavo Bilac / O Rio de Janeiro do meu tempo, de Luiz Edmundo

 

Andrea C. T. Wanderley

Editora e pesquisadora do portal Brasiliana Fotográfica

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>